A Festa dos Pães Asmos é a segunda das sete festas, as quais Deus ordenou aos israelitas que guardassem no Antigo Testamento. As sete festas são divididas em três tempos, e a Festa dos Pães Asmos está agrupada à Páscoa dentro do mesmo tempo. A Festa dos Pães Asmos é no dia 15 do primeiro mês segundo o calendário sagrado, no dia seguinte ao dia da Páscoa.

“no mês primeiro, aos catorze do mês, no crepúsculo da tarde, é a Páscoa do SENHOR. E aos quinze dias deste mês é a Festa dos Pães Asmos do SENHOR; sete dias comereis pães asmos.”

Levítico 23:5-6

Para mostrar o seu significado, uma festa tem nomes variados na Bíblia. De fato, as sete festas possuem mais de 15 nomes. Ainda que uma festa tenha outros nomes diferentes, continua sendo a mesma festa. A Festa dos Pães Asmos também é chamada de festa de sete dias (Ez. 45:21).

Deus estabeleceu as sete festas através dos feitos de Moisés para perdoar os pecados do seu povo. E já que deveriam ser cumpridas por Jesus Cristo, essas festas não são somente para os israelitas, mas também para os cristãos de hoje.

br_Feast-of-Unleavened-Bread.jpg

A ORIGEM DA FESTA DOS PÃES ASMOS

A Bíblia registra que, naquele tempo, Deus ordenou que os israelitas, o seu povo, guardassem a Festa dos Pães Asmos. A Festa começa no dia 15 do primeiro mês segundo o calendário sagrado.

“E aos quinze dias deste mês é a Festa dos Pães Asmos do SENHOR; sete dias comereis pães asmos.”

Levítico 23:6

Após a exigência da partida dos israelitas do Egito, Faraó imediatamente mudou de ideia e enviou seus soldados para capturá-los. Posto que o exército de Faraó acercou-se, os israelitas gritaram a Deus procurando proteção. Eles tiveram de suportar dificuldades e sofrimentos assim que escaparam do Egito.

As Escrituras mostram que Deus protegeu o seu povo, permitindo a Moisés que usasse o seu bordão para dividir o mar Vermelho. A Bíblia narra como os israelitas atravessaram o mar Vermelho por terra seca entre imensas paredes de água que se acumulou em ambos os lados, enquanto Deus continuou a manter sua promessa de proteção por meio de uma coluna de fogo posicionada em frente ao exército de Faraó. O sofrimento dos israelitas advindo através das dificuldades no tempo de sua libertação da escravidão veio a ser a origem da Festa dos Pães Asmos (Êx. 14:1-31).

O povo comemorava a Festa dos Pães Asmos ano após ano, comendo pães asmos (pães sem fermento) durante sete dias, desde a noite do dia 14 até o dia 21 do sétimo mês (Êx. 12:18). Esta é a razão pela qual a festa é conhecida como a festa que dura sete dias.

“Nela, não comerás levedado; sete dias, nela, comerás pães asmos, pão de aflição (porquanto, apressadamente, saíste da terra do Egito), para que te lembres, todos os dias da tua vida, do dia em que saíste da terra do Egito.”

Deuteronômio 16:3

Durante a festa, Deus os levou a comer ervas amargas e pães asmos, para que eles pudessem se lembrar dos sofrimentos que enfrentaram no momento em que foram libertos da escravidão implantada pelos egípcios. Estes pães asmos também eram chamados de pão de aflição.

O SIGNIFICADO DA FESTA DOS PÃES ASMOS

shutterstock_603618608-min.jpg

Deus estabeleceu as festas através das obras de Moisés como profecias, e Cristo as cumpriu no tempo do Novo Testamento através das suas obras. A Festa dos Pães Amos representa o sofrimento pelo qual Deus passou na noite do dia da Páscoa até a sua morte na cruz.

A jornada difícil dos israelitas entrando no mar Vermelho representa a entrada de Jesus no túmulo depois da sua morte. E, a saída dos israelitas depois de atravessar o mar Vermelho representa a ressurreição de Jesus. Hoje em dia, nós podemos compreender o significado da Festa dos Pães Asmos por meio do batismo que recebemos.

“Ora, irmãos, não quero que ignoreis que nossos pais estiveram todos sob a nuvem, e todos passaram pelo mar, tendo sido todos batizados, assim na nuvem como no mar, com respeito a Moisés.”

1 Coríntios 10:1-2

“[…] através da água, a qual, figurando o batismo, agora também vos salva, não sendo a remoção da imundícia da carne, mas a indagação de uma boa consciência para com Deus, por meio da ressurreição de Jesus Cristo;”

1 Pedro 3:20-21

Celebrando a Festa dos Pães Asmos, nós que somos cristãos podemos participar do sofrimento de Cristo, e Deus nos permite o poder para vencer as aflições e barreiras que enfrentaremos.

A CELEBRAÇÃO DA FESTA DOS PÃES ASMOS HOJE EM DIA

Jesus Cristo não só cumpriu a Festa dos Pães Asmos, mas também mostrou o exemplo de celebrá-la no tempo do Novo Testamento.

“E, no primeiro dia da Festa dos Pães Asmos, quando se fazia o sacrifício do cordeiro pascal, disseram-lhe seus discípulos: Onde queres que vamos fazer os preparativos para comeres a Páscoa?”

Marcos 14:12

A Páscoa e a Festa dos Pães Asmos estão agrupadas no mesmo tempo, e são celebradas uma após a outra. Por isso, no Novo Testamento, estas duas festas também são mencionadas como a Festa dos Pães Asmos. Os discípulos de Jesus prepararam a festa e a celebraram conforme Jesus ordenou.

Hoje em dia, a Igreja de Deus guarda a Festa dos Pães Asmos no dia seguinte ao dia da Páscoa, conforme Jesus ensinou aos seus discípulos.

“Dias virão, contudo, em que lhes será tirado o noivo; e, nesse tempo, jejuarão.”

Marcos 2:20

Jesus guardou a Páscoa com os seus discípulos na noite do dia 14 do primeiro mês do calendário sagrado. E no dia seguinte, no dia 15 do primeiro mês, padeceu muitos sofrimentos e faleceu na cruz por causa dos nossos pecados.

De acordo com os ensinamentos de Cristo, quando o noivo, que se refere a Jesus Cristo, partisse do meio do seu povo, eles jejuariam. Em outras palavras, depois da morte de Cristo na cruz, os discípulos deveriam jejuar. Hoje em dia, quando celebramos a Festa dos Pães Asmos, comemoramos o sofrimento e a morte de Jesus na cruz. Por esta razão, celebramos a festa com jejum.